A Origem e História dos Acessórios
Antes de contar a história das joias, é bom ressaltar que esses acessórios estão presentes na vida dos humanos desde os tempos mais remotos. Para produzir manualmente os acessórios, os humanos usavam recursos que eles dispunham no momento como pedras, madeira, pérolas, conchas, dentes de animais. A partir disso, adornos corporais eram feitos com diferentes propósitos.

 

Desde os tempos mais remotos, as joias são utilizadas para representar status, proteger e empoderar. Para inspirar e mostrar a importância desses acessórios na história, vou mostrar neste post um pouco da trajetória dessas peças marcantes e muitas curiosidades que irão surpreender.

 

Os acessórios possuem um papel muito importante na história da humanidade: por meio deles, as comunidades representavam suas crenças, protegiam-se, confirmavam o papel social de cada pessoa e, é claro, destacavam a beleza, moda e tradição de cada povo. Confira abaixo o significado dos acessórios na história de algumas das principais culturas e períodos. Os primeiros acessórios registrados na história surgiram durante o período pré-histórico. Fabricados a partir de dentes de animais, sementes, ossos e pedras, as jóias daquele tempo eram utilizadas como representações do misticismo de cada comunidade, como, por exemplo, amuletos de proteção.

 

Indígenas situados na região da Colômbia

Há mais de 4 mil anos antes da Era Comum, tribos indígenas, localizadas na região que hoje é a Colômbia, foram umas das pioneiras no manuseio do ouro. Além de esculturas lindas, os índios criavam adornos corporais exuberantes, principalmente para os caciques.

 

Eles acreditavam que o ouro era um material místico e devido à sua semelhança com o sol, acreditava-se que através do ouro era possível se comunicar com o deus do sol. Hoje em dia, em Bogotá há o Museu do Ouro, que preserva essas peças remanescentes, descobertas após os invasores chegarem ao país.

 

Egito antigo

Com materiais nobres, como o ouro, o cobre e pedras preciosas, os egípcios eram especialistas e famosos por criar joias exuberantes, sendo o primeiro povo, que se sabe até então, a utilizar vidro colorido em seus adornos.

 

Seus acessórios eram símbolo de poder, status social e da religião, possuindo regras rígidas para sua criação. Isso porque os egípcios acreditavam que as joias tinham o poder de protegê-los do mal, garantir boa saúde e oferecer sorte. Além disso, dependendo do modelo e materiais utilizados, os acessórios na história egípcia eram associados a poderes sobrenaturais e divindades.

 

Os egípcios foram grandes influenciadores dos acessórios na história de muitos outros povos.

 

Tribos Africanas

A África também tem uma relação forte com os acessórios. De cores vibrantes e peças volumosas, as joias africanas eram (e são) símbolo de poder, misticismo, proteção e até já foram utilizadas como dinheiro em algumas culturas.

 

Entre os mais famosos acessórios, está o colar de contas de vidro, feito manualmente, de Mali. Sua produção artesanal garante exclusividade a cada peça, sendo uma joia tradicional dada às noivas no dia do casamento.

 

Roma, Grécia e celtas

Essas três grandes culturas foram fortemente influenciadas pelos egípcios no que se diz respeito à produção de joias.

 

Os gregos utilizavam bastante o ouro e costumavam usar formas geométricas como base para representar cenas mitológicas em seus brincos, braceletes e colares.

 

Os acessórios na história romana, inicialmente, derivavam bastante da cultura grega, porém, utilizando materiais menos nobres, já que o ouro era utilizado para financiar guerras.

 

Já os celtas utilizavam suas joias também como armas e dispunham de diferentes técnicas para a produção de seus acessórios, como fundição de matérias-primas, entalhe, esmalte e granulação.

 

Idade Média

Coroas, crucifixos e relicários. As joias eram símbolos de divisão de classes, simbolismo social e religião. Elas podiam ser funcionais também, como anéis gravados com monogramas utilizados para autenticar documentos utilizados pela burguesia.

 

Os acessórios continuam acompanhando os períodos históricos, lapidando-se e aparecendo em novas técnicas que continuam a impressionar na moda atual.

 

Período do renascimento

Até esse período quem tinha maior poder de influencia na joalheria era a igreja. No Renascimento tudo mudou! Quem começa a ditar as regras é a burguesia, por isso foi um período de efervescência para as joias.

 

Os ourives passaram a ser vistos como artistas e as peças desenvolvidas possuíam uma estética mais refinada. As joias passaram a fazer parte do estilo das pessoas. Além disso, outro fator que colaborou para o desenvolvimento da ourivesaria, foi a exploração dos metais preciosos nos países colonizados.

 

 

Agora você entende que, além de uma herança passada entre familiares, as jóias possuem uma história muito mais aprofundada nas civilizações ao longo dos séculos. Aproveite e aprecie seus acessórios que carregam simbologias e histórias tão especiais.
11 novembro, 2020 — Santo Stilo

Deixar um Comentário

Atenção: Todos os comentários tem que ser aprovados pela moderação antes de serem publicados.